1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer
Last Update:
General update: 07-06-2022 21:41

Espalhe por ai:

FacebookTwitterYoutubeLinkedin

Vereador questiona translado de paciente em óbito fora do município

Lincoln Reis (PL) apresentou ontem (27 de junho) na Câmara de Santos requerimento ao Governo do Estado questionando de quem é a obrigação de disponibilizar translado do corpo do paciente falecido em outra cidade em vaga fornecida pela Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde (CROSS), que coordena as ações voltadas à regulação do acesso à área hospitalar e ambulatorial no Estado de São Paulo. 

O requerimento foi apresentado porque o vereador descobriu que, na prática, quando um paciente é internado em outro Município através do CROSS e vem a óbito, as despesas ficam por conta da família.

“Muitas vezes as famílias sequer têm condições de arcar com os altos custos do translado, causando constrangimento e situações humilhantes nesta hora tão dolorosa.”, sensibilizou-se Lincoln.

Lincoln apurou que a falta de clareza das obrigações do  Estado e das prefeituras deixa a população refém em um momento muito difícil e doloroso.  

Por isso, o vereador também quer saber por que não existe protocolo para se informar e orientar as famílias destes pacientes falecidos em outros municípios a fim de garantir o direito ao translado do corpo.

VEREADOR PEDE APOIO A DEPUTADOS - Lincoln esteve presente à Audiência Pública "Desafios e Regras no Sistema CROSS, realizada na Câmara de Santos na manhã de 28 de junho e entregou cópia de seu requerimento aos deputados estaduais  Caio França (PSB) e Paulo Corrêa Jr (Patri), respectivamente coordenadores da Frente Parlamentar em Defesa Da Baixada Santista e da Frente Parlamentar em Prol de Melhorias no Sistema de Saúde da Baixada Santista.